É necessário a instalação do Flash Player para conseguir visualizar correctamente esta página. Clique aqui para mais informação.

IDENTIFICAÇÃO: Como identificar térmitas de madeira seca (Cryptotermes brevis)

Aparência da térmita de madeira seca.

As térmitas de madeira seca podem apresentar essencialmente duas formas conforme a altura do ano. Nos meses de Maio a Agosto pode observar térmitas na sua fase alada. No resto do ano, as térmitas vivem dentro da madeira e apresentam predominantemente a forma de segregadas.

Como pode observar, as térmitas de madeira seca diferenciam-se subtilmente das outras espécies de térmitas que existem nos Açores. Embora apresentem sensivelmente o mesmo tamanho das térmitas de madeira viva, possuem uma coloração acastanhada, enquanto que as térmitas de madeira viva são negras e as suas asas mais escuras. Distingue-as, também, um colar amarelado existente no tórax nas térmitas de madeira viva.

Abaixo podemos observar uma comparação detalhada entre as térmitas de madeira seca e de madeira viva.

Comparação entre térmita alada de madeira seca com térmita de madeira viva

Comparação com outros bichos.

É frequente confundir as térmitas com outros insectos comuns, como as formigas de asa, as traças, as larvas dos bichos da seda, etc. No entanto, ao compararmos a aparência, tanto dos alados como dos segregados, podemos constatar que não existem semelhanças tão evidentes como poderíamos supor à partida.

  • Formiga asa
  • Mosca doméstica
  • Traça
  • Mosquito Tipula
  • Formiga
  • Escaravelho
  • Barata
  • Peixinho de prata
  • Caruncho
  • Larva de caruncho

Como distinguir Térmitas e Formigas de Asa

Uma vez que a formiga de asa é o insecto com que as térmitas são mais confundidas, podemos verificar que elas se diferenciam em diversos aspectos.

Indícios.

Um dos sinais mais evidentes da presença de térmitas numa habitação é o aparecimento de asas entre Maio e Agosto. Se encontrar asas perto das janelas ou em teias de aranhas é sinal que tem térmitas na sua habitação há, pelo menos, 4 anos.

Asas da Térmita de madeira seca numa teia de aranha. Asas da Térmita de madeira seca no parapeito de uma janela. Asas da Térmita de madeira seca no soalho de uma habitação. Asas da Térmita de madeira seca numa rede de janela.

Comparação dos excrementos das térmitas com pó de caruncho:

Outro dos sinais da presença de térmitas é o aparecimento de uma espécie de granulado junto de rodapés, por baixo de móveis, etc. Esse granulado, que consiste em dejectos das térmitas, pode apresentar-se com diferentes tonalidades, esbranquiçadas, amareladas, avermelhadas ou pretas, consoante o tipo de madeira que as térmitas consumirem. É importante diferenciar os dejectos das térmitas dos indícios do caruncho. Enquanto este último se denuncia pela presença de um pó tipo farelo, o granulado dos dejectos das térmitas assemelha-se mais a grãos de açucar.

Avermelhados pretos Avermelhados pretos Brancos Amarelados
Granulado de térmitas avermelhado ou preto

 

Pó de caruncho

Comparação de oríficios na madeira:

Outra das formas de detectar a presença de térmitas consiste em observar o tipo de orifícios que se encontram nas madeiras. As térmitas são oportunistas, aproveitando os buracos provocados pelo caruncho para se introduzirem nas madeiras.

No entanto, enquanto que os orifícios provocados pelo caruncho se mantêm abertos, quando há térmitas esses orifícios encontram-se tapados por uma película protectora.

Orifício de térmita de madeira seca em que se observa uma película protectora. Orifício de Caruncho sempre bem abertos.    

Comparação das galerias:

Outra possibilidade de identificar a presença de térmitas consiste em observar o tipo de galerias existentes no interior das madeiras.

Esfarelando a superfície de uma trave ou viga pode encontrar vários tipos de galerias. No caso da térmita de madeira seca as galerias estão geometricamente desenhadas e geralmente com montículos de dejectos que caem facilmente enquanto que no caso das térmitas de madeira viva as galerias são mais irregulares e os dejectos estão envoltos num muco. No caso de galerias de caruncho, estas estão quase preenchidas por dejectos.

Se a cortar também pode identificar facilmente o tipo de térmita presente. Numa viga as galerias da térmita de madeira seca encontra-se mais à periferia, enquanto que nas térmitas de madeira viva as galeria estão localizadas na parte mais central da madeira.

Galerias de Termita de madeira seca trave de uma habitação em Angra do Heroísmo. Galerias de Termita de madeira viva trave de uma habitação em Ponta Delgada. Galerias de Termita de madeira viva trave de uma habitação em Ponta Delgada. Galerias de Caruncho com pó acumulados no interior.
Cortes de troncos em que se observa as galerias na parta mais externa, para as térmitas de madeira seca. Galerias de Termita de madeira seca trave de uma habitação em Angra do Heroísmo. Cortes de troncos em que se observa as galerias no cerne para as térmitas de madeira viva.

Comparação entre as várias espécies de térmitas.

Comparação dos Soldados das Térmitas dos Açores:

A térmita de madeira seca possui uma cabeça pequena e maciça enquanto que as outras possuem mandíbulas salientes.

Ciclo de vida.

O ciclo de vida é complexo. As segregadas possuem um papel importante, são caracterizadas por executarem todas as funções de rotina, tais como obtenção de alimento, alimentação de indivíduos de outras castas, inclusive o rei (pai) e a rainha (mãe), eliminação de indivíduos doentes ou mortos, cuidados com os ovos.

Em determinadas alturas no Verão formam-se ninfas aladas que dão origem aos adultos alados que têm a função de procurar outros locais para fundar novas colónias. Em algumas situações como a morte da rainha podem mesmo formar-se reprodutores de substituição a partir de segregadas.

Mapas de ocorrência.

É necessário a instalação do Flash Player para conseguir visualizar correctamente esta página. Clique aqui para mais informação.

Contactos para solicitar vistoria técnica.

Os municípios açorianos dispõem de técnicos que poderão proceder ao despiste da praga e avaliação do nível da infestação. Para isso deverá solicitar uma vistoria, preenchendo um “Pedido de Inspecção” de que poderá ver o modelo da CMAH aqui.

Como não existem serviços de vistoria específicos relativos a esta infestação, deverá contactar o seu município através de uma das seguintes vias, procedendo em conformidade com o sugerido:

Câmara Municipal de Ponta Delgada (CMPD)

Tel: geral - 296 304 400
linha verde - 800 205 479
E-mail: geral@mpdelgada.pt
Endereço: Rua de Santa Luzia, 9500 - 114 Ponta Delgada
Responsável: Sr. Vice-Presidente da Câmara Municipal
Procedimento: Redigir um ofício a solicitar vistoria, dirigido ao Vice-Presidente da Câmara Municipal, que será posteriormente encaminhado.

Câmara Municipal de Angra do Heroísmo (CMAH)

Tel: geral - 295 212 131
linha verde - 800 200 167
E-mail: angra@cm-ah.pt
Endereço: Praça Velha, 9700 – 201 Angra do Heroísmo
Responsável: Engº Cosme
Procedimento: Preencher um formulário, disponibilizado pelos serviços, a solicitar vistoria. Os serviços contactarão, posteriormente, a agendar a visita.

Câmara Municipal da Horta (CMH)

Tel: geral - 292 202 000
linha verde - 800 200 171
E-mail: geral@cmhorta.pt
Endereço: Largo Duque de Ávila e Bolama, 9900 - 141 Horta
Responsável: Sr. Presidente da Câmara Municipal - Drª Estela Silveira
Procedimento: Redigir um ofício a solicitar vistoria, dirigido ao Presidente da Câmara Municipal, que será posteriormente encaminhado.

Grupo de Biodiversidade da Universidade dos Açores

Como a identificação da térmita de madeira seca é bastante complexa, poderá implicar o envio, por técnicos da câmara municipal, de amostras de partículas fecais e/ou asas para o Grupo de Biodiversidade do Departamento de Ciências Agrárias da Universidade dos Açores. Em caso de necessidade, poderá também contactar este serviço.

Tel: geral - 295 402 200
Responsável: Prof. Doutor Paulo A. V. Borges
E-mail: pborges@uac.pt
Procedimento: Redigir um e-mail a descrever a situação, identificando endereço e contacto telefónico para combinar vistoria.
Salvaguarda: Não podem dar-se garantias relativas a prazos respeitantes à realização de vistorias, uma vez que, não fazendo parte das funções habituais do centro de investigação, esta prestação de serviço é realizada pro bono, em função das disponibilidades do serviço.
Voltar ao ínicio da página
AGRADECIMENTOS:
A todos os cidadãos entrevistados no âmbito deste projecto;
A Enésima Mendonça, Nuno Gonçalves, Paulo Cristóvão, Pedro Cardoso e Timothy Myles pelas fotografias cedidas;
A todos os que testaram esta página contribuindo com valiosas sugestões;
À Direcção Regional da Ciência e Tecnologia pelo financiamento do Projecto "TERMIPAR".
drct BioDiversidade Cita
Webdevelopment © Via Oceânica 2008 - Todos os direitos reservados.